Maconha (dependência)

Maconha (dependência)

O consumo de maconha (cannabis) está amplamente disseminado. Pesquisas entre estudantes universitários revelaram que periodicamente ocorrem aumentos, reduções e novos aumentos do seu consumo. Nos Estados Unidos, a maconha é geralmente consumida sob a forma de cigarro (baseado) feitos com raízes, folhas e as flores distais da planta seca, sendo quase sempre a Cannabis sativa. A maconha também é consumida sob a forma de haxixe, a resina (substância do alcatrão) da planta prensada. O ingrediente ativo da maconha é o tetrahidrocanabinol (THC), que se apresenta sob muitas variedades, sendo a mais ativa a delta-9-THC. A delta-9-THC é produzida sinteticamente como uma droga denominada dronabinol, que é utilizada em pesquisas e, algumas vezes, no tratamento da náusea e do vômito associados à quimioterapia do câncer. Alguns indivíduos tornam-se dependentes da maconha por razões psicológicas e essa dependência pode ter todas as características da adição grave.

A dependência física da maconha não foi demonstrada de modo conclusivo. Como no uso do álcool, a maconha pode ser usada de modo intermitente por muitas pessoas sem lhes causar uma disfunção social ou psicológica aparente ou adição. Sintomas A maconha deprime a atividade cerebral, produzindo um estado onírico no qual as ideias parecem desconectadas e incontroláveis. Podem ocorrer distorções e acentuações do tempo, das cores e do espaço. As cores podem parecer mais brilhantes, os sons mais altos e o apetite pode aumentar. Geralmente, a maconha reduz a tensão e produz uma sensação de bem-estar. A sensação de exaltação, de excitação e de alegria interna (“estar alto”, “ficar ligado”) parece estar relacionada às condições nas quais a droga foi consumida. Por exemplo, se o indivíduo fumar sozinho ou em grupo e de acordo com o humor predominante. As capacidades comunicativas e motoras diminuem durante o uso da maconha e, por essa razão, é perigoso dirigir um automóvel ou operar maquinaria pesada.

Os indivíduos que consomem grandes quantidades de maconha tornam-se confusos e desorientados, podem apresentar psicose tóxica e perder a noção de quem são, onde estão ou do tempo. Os indivíduos com esquizofrenia são particularmente suscetíveis a esses efeitos e existe evidência comprovada de que a esquizofrenia pode piorar com o uso da maconha. Ocasionalmente, podem ocorrer reações de pânico, particularmente em consumidores novos. Outros efeitos incluem o aumento da frequência cardíaca, os olhos avermelhados e a boca seca. A tolerância a longo prazo pode ocorrer em indivíduos que consomem a maconha. As reações de abstinência podem incluir o aumento da atividade muscular (p.ex., espasmos e contrações) einsônia. No entanto, como a maconha é eliminada lentamente do organismo, ao longo de várias semanas, a reação de abstinência tende a ser leve e, geralmente, não é perceptível para o consumidor moderado.

Alguns estudos sugeriram que o uso intenso e prolongado da maconha por homens pode reduzir os níveis de testosterona, o tamanho dos testículos e a contagem de espermatozoides. O uso crônico por mulheres pode acarretar ciclos menstruais irregulares. Contudo, nem sempre esses efeitos ocorrem e os efeitos sobre a fertilidade são incertos. As gestantes que usam maconha podem ter filhos menores que as não consumidoras. Além disso, a delta-9-THC passa para o leite materno e pode afetar um lactente que é amamentado com leite materno da mesma maneira que a mãe é afetada. O consumo intenso e prolongado da maconha pode produzir efeitos similares aos do tabagismo sobre os pulmões. A bronquite é comum e o risco de câncer de pulmão provavelmente é maior. Os resultados da detecção da maconha na urina permanecem positivos durante vários dias após o consumo, inclusive nos consumidores ocasionais. Nos consumidores habituais, os resultados do exame podem permanecer positivos por mais tempo à medida que a droga é eliminada lentamente da gordura corpórea. O tempo varia, dependendo da porcentagem de THC e da frequência do consumo. O exame de urina é uma maneira eficaz de se identificar o consumo da maconha, mas um resultado positivo desse exame significa apenas que o indivíduo a consumiu, e não prova que o usuário está com suas faculdades alteradas no momento (intoxicado). Exames sofisticados podem determinar até um ano depois se a maconha foi consumida.

Fonte: http://www.galenoalvarenga.com.br/transtornos-mentais/abuso-de-drogas-dependencia-quimica-e-psicologica/maconha-dependencia